Nossos pais envelhecem.

paisVelhos

Eu não sei se você também se lembra. Mas, eu me lembro de quando era criança, pré-adolescente, e percebi que o nome da minha mãe não era ‘mamãe’, ela tinha um outro nome, um nome próprio! Pode até parecer brincadeira, mas eu me lembro que fiquei surpresa, parada e tomando consciência daquela informação. Foi aí que percebi minha mãe como um indivíduo além da figura materna que ela representava para mim, como a minha origem, e eu me questionei sobre quem eu era, se não apenas a extensão daquela mulher.

E assim foi-se dando o meu crescimento, observando, vendo o que o tempo me revelava, tomando consciência sobre quem sou e quem são as pessoas ao meu redor, principalmente, aquelas que mais tem relevância em minha vida, meus pais.

Hoje, eles estão na faixa dos 60 anos e ainda é estranho olhar para eles e tomar consciência de que envelhecem – mesmo eles aparentando terem 10 anos a menos – pois se cuidam muito e sabem viver a vida.

Aceitar que eles não ficarão, fisicamente, ao meu lado por toda a minha vida – não foi tarefa fácil, ou melhor, não é tarefa fácil. Pensar sobre isso é um mérito total da terapia, minha psicóloga tem papel fundamental em me ajudar a lidar com essa lei natural da vida de forma mais leve, natural e menos dolorosa. Digo dolorosa, pois, ainda não estou completamente resolvida com essa questão.

E me pergunto, quem está? Quem realmente aceita que os pais envelhecem, que aquelas pessoas que vemos em nossa vida, sempre, em todos os momentos, com quem falamos diariamente, com quem corremos para chorar quando estamos tristes e corremos para contar uma boa notícia. Quem está preparado para o dia em que esse contato físico não for mais possível? Sinceramente, eu não acredito que exista alguém preparado para enfrentar isso.

Porém, a vida não nos permite alterar o seu fluxo natural, portanto, devemos aproveitar cada dia ao lado deles como se fosse o último, pois, não controlamos o nosso amanhã. Nós precisamos aprender a retribuir toda a paciência, o cuidado, a ternura com as quais eles nos dedicaram desde o nosso nascimento até hoje em dia.

Precisaremos repetir várias vezes algumas frases? Sim. E quando ficar impaciente, lembre-se de quantas vezes eles repetiram cada palavra para que pudéssemos aprender a falar.

Precisaremos andar mais devagar porque a mobilidade deles já não é tão ágil como antes? Sim. Eles por muitas vezes reduziram a passada deles para acompanhar nossos primeiros passos quando aprendemos a andar.

Precisamos relembrá-los de compromissos? Sim. Da mesma forma que eles nos lembravam sobre a prova e o material para a aula que precisávamos levar para o colégio.

Precisamos ter mais paciência porque eles costumam ficar mais teimosos? Sim. Só que precisamos ter bem menos paciência do que eles tiveram conosco quando entramos na adolescência e não tínhamos paciência para nada e nem ninguém.

Perceberam como a vida pode ser bonita se olharmos com os olhos da gratidão e do amor?

Quando começamos a viver, eles cuidam e nos amam incondicionalmente, e, a vida nos permite retribuir todo esse carinho quando eles chegam na terceira idade e podemos trata-los com o mesmo amor e paciência com os quais recebemos.

Não chore pensando que eles se vão. Porque o amor que une pais e filhos, se for real, intenso, se houver uma conexão profunda, ele ultrapassa qualquer barreira. Eles estarão sempre conosco, pois, são importantes para nós.

Uma vez o professor Mario Sérgio Cortella explicou o conceito de ‘importante’, ele disse que é aquilo/aquele que importamos para dentro de nós. Logo, todas as pessoas que amamos e são importantes para nós, significa que as importamos para dentro de nós. E de lá ninguém poderá tirá-las.

Os pais envelhecem da mesma forma como nós iremos envelhecer um dia. Então, seja paciente, seja carinhoso, seja amigo, seja cuidadoso, dê a eles todo o amor que lhe dedicaram em sua vida.

E acredite: eles estarão sempre dentro de nós, importados e guardados para sempre.

Luz & Paz na caminhada.

2 comentários

  1. Janyr Souza

    Que bom saber que você hoje consegue aceitar que a vida segue sempre seu curso,independente do que queremos aceitar ou não. A vida é sábia. Ela nos sinaliza o tempo todo para que através da observação possamos entender o porquê dos acontecimentos e nos mostra que tudo tem uma razão de ser. Se agora somos filhos, amanhã seremos pais e desejaremos receber o mesmo carinho,a mesma paciência e consideração que nos foi dada durante toda a nossa existencia.Costumo dizer o que sempre ouvi de meus pais,”faça por nós hoje,enquanto estamos aqui porque quando não mais estivermos,não será preciso”.Que bom que eu sempre os ouv! Ame-os hoje para que depois possa ter a saudade reconfortante e sentir novamente todo esse amor importado dentro do peito.

  2. Lindo texto! Realmente não é fácil pensar sobre esse assunto. Mas é importante para valorizarmos as pessoas que amamos.

E então, gostou? Me diga aqui no comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *