#PPS – O Primeiro Mês de uma Recém-Mãe.

Olá Mamães,

Hoje vou falar um pouquinho sobre o fatídico primeiro mês do meu puerpério.

Sempre ouvi o seguinte: “Calma que vai passar e mês que vem tudo estará melhor” e no meio de tantas novidades e grandes desafios eu duvidava (e muito), mas passou sim. (Graças a Deus! rs)

As minhas maiores dificuldades foram as seguintes:

  • Seios fissurados
  • Cansaço extremo
  • Inchaço no corpo todo, principalmente, nas pernas e pés por quase 12 dias
  • Dores abdominais
  • Usar cinta em um calor infernal do verão do Rio de Janeiro
  • Poucas horas de sono
  • Sangramento pós parto
  • Palpites DESNECESSÁRIOS o tempo todo
  • Ausência total de rotina
  • Arranjar uma boa posição para dar de mamar com cinta, calor, inchaço e dores
  • Oscilação de humor constantemente

Tudo isso corroborou para que o primeiro mês fosse bem estressante. Eu tive a ajuda do meu marido e da minha mãe, que tornou bem menos difícil esse momento, mas mesmo assim não foi fácil.

Eu acho que só não foi pior porque havia estudado e lido muito sobre esse momento, embora nenhuma leitura nos dê a real noção do que iremos enfrentar, e, como tudo na vida, não dá para adivinhar o futuro. Mas, quanto mais estudarmos sobre o assunto, mais consciência teremos do que pode vir e de como podemos lidar.

Por isso, sugiro a vocês mamães que ainda terão os seus bebes que leiam, pesquisem, estudem, falem com os seus médicos, faça uma consulta ainda no pré-natal com o pediatra escolhido para combinar não só os procedimentos da sala de parto, mas também para tirar as dúvidas sobre o que estará por vir com o nascimento. No fim do texto deixarei algumas referências que foram úteis para mim.

Cuidem das suas mamas ainda na gestação, as exponha diariamente ao sol, por 15 a 20 minutos (se não der para pegar sol, use uma luminária normal com lâmpada incandescente mesmo a 20cm de distância). E após o nascimento continue expondo ao sol e assim que o bebe terminar de mamar, retire um pouquinho do leite e espalhe pelos bicos e pelas auréolas e deixe secar naturalmente, isso serve como cicatrizante natural. Não utilize buchas, cremes, casca de mamão, nada disso. Utilize-se do SOL APENAS.

Outra dica é sobre a cinta, não é confortável, mas é preciso. Eu não queria usar, o meu pai que é fisioterapeuta me recomendou, eu usei no primeiro mês o tempo todo e posso dizer que foi importante. Depois passei a usar durante o dia apenas. E hoje não uso mais, retomei as sessões de drenagem linfática e também a atividade física porque o abdômen não vai voltar ao formato original sozinho e sem sacrifício.

Beba muita água (uns 3 litros pelo menos), descanse, durma quando o bebe dormir (ou pelo menos apenas deite e tente relaxar a coluna), confie em quem estiver contigo para lhe ajudar (sua mãe, sogra, amiga, irmã, prima, marido, seja lá quem for) a ter esse momento para você relaxar porque é super importante para a sua saúde física, mental e a do bebe também.

Lute pelo aleitamento materno, se possível, exclusivamente, peça ajuda de uma consultora de amamentação, da sua obstetra, da pediatra, assista vídeos no youtube, converse com amigas, parentes que amamentaram, e não desista com facilidade. Não será fácil, vai ter momentos que pensará em deixar de lado e ficar com o complemento, é normal se sentir assim, mas você é capaz! O seu corpo foi capaz de formar esse ser humano pequenino que está nos seus braços, ele também é capaz de alimenta-lo! Acredite no seu corpo, na natureza!

Obs.: Mas, se por acaso, por algum problema fisiológico ou psicológico, realmente, não der para amamentar exclusivamente, utilize o complemento. Se também não for possível, e precisar dar somente o complemento, tudo bem. Você tentou o seu máximo. Vamos focar na saúde do bebe. O seu amor não será menor e nem menos importante por conta disso, o vínculo de amor entre vocês não ficará anulado, aceite a realidade sem culpas e siga em frente. Vocês tem uma linda história para construírem juntos.

Não coma porcarias, não utilize a facilidade de abrir pacotes (biscoitos, congelados industrializados, snack etc) isso será prejudicial para o bebe e para você também. Peça alguém para comprar frutas, castanhas, pão, sucos (sem ser de caixinha), e, dessa maneira quando surgir a fome você terá opções saudáveis para se alimentar. Porque acredite em mim, não terá nenhuma vontade de encarar o fogão.

Confie no seu marido, ele é o pai, e tem todo o direito de descobrir a paternidade, assim como você está descobrindo a maternidade. Sem esse pré-conceito de que “homem não leva jeito para cuidar de bebe” – se você o excluir no começo da vida do bebe, não queira que ele participe no futuro. Lembre-se disso.

O seu humor está oscilando e isso é culpa dos seus hormônios que durante a gestação estavam lá no topo e agora estão lá no pé! Então, sentir-se melancólica, desanimada, frustrada, triste por alguns momentos é normal. Mas, se esses sintomas permanecerem por mais de um mês ou se eles estiverem bloqueando você de cuidar do bebe e de se aproximar dele converse imediatamente com o seu obstetra e peça ajuda. A depressão pós-parto é uma realidade e não deve ser desprezada.

Paciência. Esses primeiros trinta dias irão passar e você começará a se sentir mais confiante.

Escute o seu instinto. Somos fêmeas e temos o dom de gerar a vida e de cuidar dos nossos filhotes, não duvide disso.

Se está difícil para você, acredite, está muito mais difícil para o bebe. Você tem conhecimento de tudo que está ocorrendo, ele não. Até pouco tempo ele só conhecia o seu útero, só ouvia os sons do seu corpo, não fazia nenhum esforço para se alimentar, ficava pra cima e pra baixo nadando na sua barriga e agora está tudo diferente aqui fora. Ele não sabe disso ainda, portanto, seja compassiva e amorosa com ele.

Permita-se ficar horas admirando o seu bebe, vocês merecem depois de tantos meses de espera.

A casa, a roupa suja, a comida, os telefonemas, as visitas, as compras, tudo isso você pode pedir para outra pessoa lhe ajudar a cuidar. Agora, a segurança, o aconchego, o colo, o cheiro, a tranquilidade, o leite, isso, nesse momento, o seu bebe precisa que venha de você, que é a única pessoa que ele conheceu até hoje, só o seu cheiro faz ele se acalmar, só a sua voz (que ele escuta desde o ventre), então, dispa-se dessas responsabilidades secundárias e priorize o bem-estar do seu bebe.

Deixo aqui as dicas dos livros que ganhei do meu pai e li ainda na gestação da minha filha (e não esqueça de ler aqueles que citei aqui):

  • Pós-parto sem choro de Letícia Crespo do Amaral
  • Nana, nenê – como resolver o problema de insônia do seu filho de Eduard Estivill e Sylvia de Béjar
  • Pós-parto e amamentação de Marcus Renato de Carvalho e Vitória Pamplona

Desejo um lindo começo de maternagem para vocês.

Dúvidas, só deixar aqui nos comentários.

 

 

 

Um comentário

  1. Luiz Shigunov

    Realmente o primeiro mês não é fácil. É tudo novo. Requer muita paciência e conhecimento.

    Pra mim me ajudou muito ter a consciência que isso iria passar. Que era só uma fase.

E então, gostou? Me diga aqui no comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *