Amamentação

Quando engravidei da minha filha eu estudei, pesquisei, fiz cursos, assisti palestras, consultei especialistas para aprender o que fosse possível sobre gravidez, amamentação e pós-parto. Conversei com algumas amigas e elas me falaram que amamentar não era algo fácil, mas que esse era o melhor caminho para os nossos filhos.

Em minha família nem minha mãe nem minha tia amamentaram, as referências mais próximas que eu tinha de maternidade, então, eu só tinha prática em dar mamadeira aos meus primos.

Durante os meus estudos e o meu pré-natal eu constatei que amamentar com leite materno era o único caminho natural da vida. Digo o único porque assim como o nosso corpo é capaz de gerar a vida de nossos filhos ele também consegue nutrir essas vidas após o nascimento de modo natural. Assim é a natureza.

Eu aprendi também que o fator principal para que uma mulher possa amamentar é ter conhecimento das dificuldades, e, uma vez tendo entendido isto, acreditar que é capaz e apostar (mais uma vez assim como fez na gestação) na força da natureza não duvidando da capacidade do seu corpo e pedindo apoio a sua rede mais próxima de cuidados com o neném (marido, mãe, sogra, irmã etc).

Como eu já havia lido e aprendido, não foi nada fácil para mim. Minha gestação havia sido de alto risco e por conta disto eu e minha filha não pudemos ter a nossa Hora-de-Ouro, que consiste no contato pele a pele assim que ela nasce, na mamada no peito imediatamente após o nascimento e no acamplamento tardio do cordão umbilical. Nada disso foi possível para nós, ela nasceu e foi direto para a verificação da pediatra de plantão e depois para o berçário. Eu devido a cirurgia complexa fiquei uma hora em observação antes de ir para o quarto. Quando finalmente subi para o quarto, minha filha não veio junto, ficou na incubadora porque estava com hipotermia. Nesse tempo todo nada de mamar no peito. O desespero começou a tomar conta de mim, as horas passavam e nada dela subir, eu temia por ela ter que tomar complemento na mamadeira e não querer o meu peito. Até que ela pode subir, e, as enfermeiras foram muito atenciosas e me ajudaram a coloca-la no peito e a dar a pega direita (ou o melhor que eu conseguisse).

Ela mamou, mas não o suficiente. Então, após algumas horas foram verificar a glicose dela e estava muito baixa, hipoglicemia constatada, dá-lhe peito toda hora. Mas, recém-nascidos dormem muito e eles também estão aprendendo a ter que mamar, resultado: para não deixar a glicose baixar mais tive que concordar em lhe darem 5ml de complemento na chuca. O tempo todo eu tinha medo dela não querer mais o peito, mas eu conversava com ela, não ligava para as dores, e dava o peito sempre que ela começava a choramingar, nem deixando ela chorar. E ela foi mamando, aos poucos, com constância.

Durante a gravidez eu expus os seios ao sol e a luz para ir preparando-os para amamentar, mas não adiantou muito, eles fissuraram, racharam, entupiu os dutos, inflamou, senti dores, sangrou, doeu e doeu muito. Pensei muitas vezes em desistir, mas a cada visita a pediatra ela apresentava ótimo crescimento e isso me motivava a continuar. Foi difícil todo o primeiro trimestre, do quarto mês em diante começou a ficar melhor, hoje, aos seis meses, ela está passando pela fase de introdução alimentar e continua mamando no peito e com o complemento.

O nosso corpo é capaz de alimentar e nutrir com qualidade os nossos bebes, SE nós acreditarmos na força da natureza, em nossos instintos, se não sucumbirmos aos pitacos alheios que só servem para nos desestimular.

Eu hoje posso dizer que amamentar é um momento de contemplação da vida, do amor, e o resultado positivo da aposta na natureza que fiz desde quando soube da gravidez.

Se você também é uma recém-mãe e está enfrentando dificuldades para amamentar, não desista, busque ajuda de profissionais especializados e acredite no seu instinto.

Amamentar, para mim, não é um ato de amor. É um ato de crença em nossos corpos e na nossa natureza de fêmeas e mamíferas.

 

 

 

Um comentário

  1. Viviane

    Quando eu for mãe vou vir aqui reler todas as suas matérias! rs

E então, gostou? Me diga aqui no comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *