Por uma vida mais feliz

Cuidado com o que desejas, podes conseguir!

É curioso ver como algumas pessoas conseguem aquilo que tanto desejaram (ou que a maioria deseja) e não dão valor depois.

Muitas mulheres sonham com o cara perfeito, seja ele um príncipe ou um simples mortal que te respeite, te apoie, seja teu amigo, parceiro, amante, que queira estar com você e cuidar de você. Por outro lado, alguns homens desejam a mulher (quase) perfeita: linda, sensual, inteligente, carinhosa, engraçada, esperta e que também cuide dele.
Eis que a mulher consegue o seu homem ideal. E o homem sua mulher (quase) perfeita. 
Daí entram num ciclo curioso e intrigante: a primeira fase é a euforia da conquista, os agraciados se sentem tão felizes e eufóricos por terem encontrado o par tão sonhado que vivem num clima de romance e paixão todos os dias. 
Mas, o tempo passa e aquela euforia caminha para a próxima fase: de tranquilidade. Começa a nascer um sentimento de conforto com o outro, uma sensação de segurança, de paz, um porto seguro. Imaginamos então, que a partir daí a vida se tornará mais florida, tranquila e feliz, certo? Errado!
As pessoas começam a agir com descomprometimento com o outro, a presença não é mais valorizada, os elogios são cada vez mais raros, as risadas passam despercebidas, o carinho esquecido. 
Por outro lado, as alfinetadas crescem cada dia mais, as briguinhas irritantes e infundadas fazem parte do dia-a-dia, a frieza nos beijos e nos abraços torna-se algo comum, e a necessidade de estar sempre com outras pessoas parece ser vital! O casal não se basta mais, para se sentirem a vontade na companhia do outro precisam de um apoio: um amigo, um colega, um parente, tanto faz, não importa.
E aquela pessoa que foi tão idealizada, esperada, que era seu porto seguro, agora se parece com um saco de boxe, onde você passa a extravasar suas frustrações, seus medos, sua raiva, seu aborrecimento do dia-a-dia, suas mágoas, tudo isso em cima dela.
Então me pergunto: por que o ser humano nunca sabe o que quer? E só percebe o valor do que tem em mãos, quando perde por entre seus dedos…
Fica a reflexão: “Cuidado com o que desejas, pois, podes conseguir. (e perder)”
Beijos de luz!

2 Comentários

  • Renata Braga Pessoa

    É minha amiga… realmente isso aconteceu mtas vezes comigo, mas eu era a parte "ideal" e admirada por ser uma mulher "diferente" e com o passar do tempo essa minha diferença das outras mulheres, acabam incomodando… Ou seja, o que antes era uma qualidade, torna-se defeito com o passar do tempo e a convivência… O ser humano é bem complicado mesmo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *