Conversas entre Amigos

Às grandes mentoras da minha carreira.

Ao longo dessa década da minha carreira conheci muitas pessoas. 

Algumas simplesmente passaram, mas outras marcaram tanto, que ficarão para sempre em minhas melhores lembranças, no meu jeito de encarar a vida, nos meus valores, no meu coração.

Nesse post, venho agradecer em especial a duas grandes mentoras – que considero as maiores (mulheres) – que tive durante toda minha carreira até hoje.

A primeira delas já comentei em post passado, trata-se na minha primeira supervisora, no primeiro estágio remunerado em uma empresa do setor público.

Me lembro até hoje de quando recebi a notícia que havia sido selecionada para outro setor – diferente daquele que fiz a entrevista. Fui procurar saber com pessoas conhecidas sobre o setor que iria. E não tive nenhuma recomendação boa. As pessoas me diziam: “Você vai trabalhar lá? Nossa boa sorte com aquela supervisora!”

Imagina como eu me sentia, né? 18 anos, inexperiente e louca por um emprego. Já entrei no lugar morrendo de medo. Ao chegar lá deparei-me com várias pessoas involuídas e acomodadas. Sabe aquele funcionário que ao invés de procurar qualificar-se e conseguir um emprego melhor, fica conformado anos num emprego terceirizado reclamando de tudo e de todos!? Pois é, assim era grande parte da equipe.

O meu contato com a minha supervisora era apenas de “Bom dia senhora. “, “Boa tarde senhora”, “Com licença senhora” – cheia de medo de sofrer alguma das famosas injustiças e críticas descabidas que as tais pessoas involuídas diziam que ela praticava.

Mas, pouca gente, muito trabalho, menos gente ainda comprometida e a fim de fazer um bom trabalho tudo isso culminou na minha chamada direta  para trabalhar não apenas na sala, mas à mesa da minha supervisora em uma campanha longa que o Governo iniciara na época.

Eu me tremia inteira só de pensar que passaria o dia inteiro, durante semanas fazendo ligações para o cliente diretamente da mesa dela. Nossa! Como eu tremia! rsrsrs

Os dias foram passando, várias situações inusitadas ocorreram, trabalhava mais do que minhas 6hs de estágio por vontade própria. Porque era muito bom ficar ali perto dela, ouvindo suas histórias do início da carreira, aprendendo a como encarar o mercado, conhecendo aquela mulher que não tinha absolutamente nada de injusta, grosseira, hostil, malvada. Muitíssimo pelo contrário era uma mulher carinhosa, atenciosa, que me ensinou muito sobre o que eu encararia no mercado corporativo, sobre como me comportar diante de pessoas involuídas, como não me tornar uma dessas pessoas, como aprimorar sempre o meu potencial e nunca, jamais, trabalhar em um lugar onde me sinta infeliz! Aprender a gostar daquilo que faço. E fazer sempre, o melhor que conseguir.

Passado 1 ano meu contrato terminou e precisei sair, encontrei uma empresa no mercado privado para atuar no que estava me formando. Mas, ao mesmo tempo que estava eufórica por ter conseguido, uma tristeza tomava conta de mim por ter que me separar daquele lugar, onde vivi tantas coisas boas, onde tinha ela para conversar todas as manhãs, e aprender tantas coisas (e tantas outras sabia que ainda poderia aprender).

Mas, chegou o dia de dar a resposta a outra empresa e ela me disse: “Minha filha, sua missão aqui acabou. Você aprendeu tudo o que precisava e agora merece ir atrás do seu sucesso. Vai e não se preocupe, pois, eu continuarei aqui.”

Eu fui, e por muito tempo voltava lá para conversar, contar o que estava vivendo, das minhas dificuldades, das minhas angústias, dos medos, das dificuldades. E por muito tempo, ela esteve lá, sempre disposta a me ouvir e aconselhar.

Depois de alguns anos entrei em outra empresa, para um cargo que sempre sonhei, desde quando tive a primeira disciplina dessa área na faculdade. Toda minha experiência nessa área era acadêmica, pois, nunca havia tido a oportunidade de praticar. Então, conheci a minha segunda grande mentora, que me ensinou 90% de tudo que conheço nesse segmento. Os outros 9% fui aprimorando sozinha. E o 1% é aquele constante aprendizado que vivemos, pois, eu não acredito que ninguém conheça 100% de tudo em lugar algum sobre nada.

Essa minha gerente era o que chamo de A profissional perfeita! Ela era doce, gentil, meiga, delicada, inteligente, carismática, interessante, sabia impor sua presença, suas ideias, tinha à atitude certa em cada situação. E todos da empresa a respeitavam. E grande parte gostava muito dela.

Minha primeira viagem a trabalho para sampa foi com ela. Eu morrendo de medo de viajar de avião, de andar em São Paulo, de encarar aquele projeto gigante, mas ela estava lá com sua serenidade e sabedoria que sempre me transmitia segurança.

Vivemos bons momentos juntas. Ela se tornou uma mentora onde até hoje recorro quando estou com alguma dificuldade. Um exemplo para mim, sempre pensei em um dia quando fosse a líder de alguém queria ser como ela. E hoje depois de liderar algumas pessoas me sinto feliz quando vejo que pude praticar aquilo que vivi ao lado dela.

Nossas viagens a São Paulo eram ótimas! Passeávamos pela cidade, íamos em todos os sebos e livrarias que encontrávamos, as lojas esotéricas, ao teatro, aproveitei e passei a admirar e gostar de sampa como atrativo cultural. Aprendi a gostar de Buenos Aires, de Cacharel, mais ainda de francês, de um bom vinho e a conduzir reuniões longas, complicadas e cheia de pessoas falando de tudo ao mesmo tempo e conseguindo captar a mensagem delas.

Quando optei por sair dessa empresa ela estava de férias fora do país, fiquei triste por não ter conversado com ela antes. Assim que soube tinha voltado conversei e expliquei a razão de ter saído, ela como sempre me compreendeu e torceu por mim. Até hoje sentimos saudades daquele tempo, de trabalhar juntas. Até hoje sinto saudade de viver aquela época, onde todo dia acordava para ir ao trabalho entusiasmada por saber que ela estava lá e que conseguiríamos superar mais uma meta, que aprenderia algo novo, que teria seu jeito doce e meigo me dando “Bom dia Carol”.

Sinto saudades delas duas, da energia boa que recebia delas, de tudo que aprendi, das risadas e das lágrimas que compartilhei ao lado delas.

E nessa semana do dia Internacional das Mulheres quero deixar aqui minha eterna gratidão, admiração, respeito e meu profundo carinho por essas duas grandes mulheres e líderes!

Obrigada por tudo! Vocês são inesquecíveis.

Beijos de luz!

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *