Por uma vida mais feliz

Você é útil sim.

texto39

Por esses dias, conversando com uma amiga ela me disse a seguinte frase “Eu quero ser útil.”.

Isso ficou ecoando na minha cabeça, pensando, pensando e não conseguindo absorver e nem processar, só tinha uma coisa a fazer: escrever! (rsrs)

Aqui estou com minhas ideias e reflexões sobre isso. O contexto que ela citou essa frase já havia me sido dito por outra amiga tempos atrás. Só que cada uma dessas amigas tiveram posturas distintas sobre a situação na qual se encontravam.

O cenário é o seguinte: jovem mulheres, casadas, com filhos, que precisaram abdicar temporariamente da sua independência financeira (profissão) para se dedicarem exclusivamente à família e, principalmente, ao filho.

Para mulheres que possuem indepedência finaceira dá para imaginar que não deve ser fácil optar por esse caminho. E de fato, não é.

Como disse elas optaram por atitudes diferentes com aquilo que a vida lhes impunha: uma continuou dependente financeiramente (e exclusivamente) do seu marido. A outra descobriu um novo talento e começou a trabalhar de casa, passando a depender de forma parcialmente financeira de seu marido.

A sua renda ainda não permite que ela tenha a total independência financeira  – na qual estava acostumada, mas de forma alguma faz com ela seja inútil. Muitíssimo pelo contrário! Isso só multilplica seu valor.

Ambas são mulheres valiosas, mas uma ainda está em um processo de se reencontrar com sua carreira  (isso não é um processo simples de superar). E a outra já encontrou!

Agora quero olhem para todas as coisas que vocês realizam diariamente e percebam seu valor:

  • Despertar seu filho.
  • Dar banho em seu filho.
  • Alimentar seu filho.
  • Levar seu filho ao colégio.
  • Levar seu filho à natação.
  • Brincar com seu filho.
  • Ninar seu filho.
  • Educar seu filho.
  • Cuidar da casa.
  • Cuidar da roupa.
  • Ir ao mercado.
  • Alimentar sua família (café da manhã, almoço, lanche, jantar)
  • Dar atenção ao seu marido.
  • Dar atenção aos seus amigos e parentes.
  • Cuidar do seu lado espiritual.
  • Trabalhar em seus trabalhos artesanais.
  • Se manter firme, alegre e otimista mesmo diante de tantas dificuldades porque sabe que seu filho e sua família dependem de você.

Depois de tudo isso me diga, sinceramente, se você é ou não (e muito) útil!?

“O valor que queremos receber dos outros precisa nascer dentro de nós.”

Tem uma música que adoro e diz: “… você tem valor. O Espírito Santo Se move em você…”

Pense nisso!
Olhe-se no espelho e se admire. Reconheça seu valor. E isso irá refletir no olhar de quem a vê.

Beijos!
Luz!

Um comentário

  • Luiz Shigunov

    Esse texto me lembrou de um documentário sobre o presidente Rafael Correa do Equador. Hoje em dia, no geral, só damos valor para o que tem valor financeiro. Quanto custa deixar o filho numa creche? Uma diarista? Uma refeição fora? Tudo isso o casal economiza se um dos dois, ou os dois, cuidar do filho e da casa. No caso do Equador foi o seguinte: ele tem petróleo numa região de floresta habitada por índios. Quanto vale não destruir essa floresta e deixar o petróleo lá? Pensando nisso Rafael Correa foi até a Europa vender essa idéia. Ele não queria destruir, mas precisava de dinheiro para o seu país. Infelizmente a Europa estava entrando em crise e a idéia não deu certo. O petróleo foi a solução.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *