Conversas sobre a sociedade

Contra a censura! A favor do bom senso!

texto54

Nos últimos dias vimos à manifestação de populares contra o aumento das passagens e também contra os gastos abusivos na Copa.

Entretanto, o que indignou não só a mim, mas a toda população de bem, foi o abuso de autoridade, o fascismo da PM paulista, a imposição velada da ditadura por parte do Governo paulista, a truculência da PM carioca e também a falta de bom senso de alguns manifestantes.

O Brasil é conhecido como um país pacífico, porém, de forma disfarçada a visão que passa é de um país de população acomodada que desde o tempo da ditadura e dos caras-pintadas para derrubada do Collor não se manifestam, protestam e usufruem do direito de liberdade de expressão para reivindicar seus diretos e cobrar uma melhor gestão por parte dos seus governantes.

Na Argentina é comum vermos a população saindo às ruas para protestar contra o Governo. Não concordo com a forma imprudente que eles praticam essa manifestação. Por outro lado, acho adequado saírem às ruas para cobrar seus direitos. Na Europa, Grécia, Egito, Itália vimos recentemente manifestantes também irem às ruas contra a crise econômica na qual se encontra e requererem melhores soluções de seus governantes!

Aqui no Brasil temos o privilégio de hoje vivermos em uma sociedade democrática, onde podemos expressar nossas ideias, nossos pensamentos, nossas indignações, que foi conquistado a base da luta, do sangue e das vidas de milhares de brasileiros que foram contra a ditadura e pagaram com suas vidas para que o regime golpista fosse derrubado.

Ao invés de usarmos essa liberdade de forma sadia, inteligente e com bom senso em busca de negociação que nos leve resultado positivo, alguns preferem agir com atitudes irracionais depredando o patrimônio público, fazendo barricadas de pneus queimados – aumentando o desastre ambiental, que impacta na vida de todos nós – e isso não leva a lugar algum.

Vimos milhares de estudantes universitários, em sua maioria, buscando de forma pacífica, coerente, baseados em argumentos sólidos manifestarem a favor de melhores condições de transporte, porém, no meio destes alguns baderneiros, de classe média alta, que não utilizam o transporte público, infiltraram-se no meio da manifestação para gerar o caos.

A contrapartida disso foi a exposição truculenta da polícia carioca, e a face de uma polícia fascista paulista, que reagiu com violência descabida contra TODOS os manifestantes (e não só aqueles que estavam pregando a desordem pública)!

Além disso, a imprensa foi brutalmente atacada (a imagem acima é da réporter Giuliana Vallone da Folha de São Paulo atingida pela PM paulista por uma bala de borracha atingida diretamente no rosto) de forma inaceitável!

Isso foi um exemplo claro que se não ficarmos atentos a ditadura pode voltar, porque aqueles que acham que o Golpe de 64 na verdade foi uma “revolução” ainda estão na política, nos comandos, seus filhos e descendentes também estão lá e com o mesmo pensamento de seus pais e avós.

Espero que todos fiquemos atentos e não aceitemos atitudes violentas como estas de nenhum dos lados: nem daqueles que protestam e muito menos do Governo que serve para proteger a população!

Diga NÃO a volta de censura! E diga SIM ao bom senso e a liberdade de expressão!

3 Comentários

  • Janyr Gomes da Silva

    É exatamente essa a minha visão disso tudo.Nada justifica o vandalismo e ao cometer tal ato, perdeu-se toda a motivação sensata e justa do movimento.Acredito que o povo precisa pensar mais consciente em quem ele vai eleger para nos representar no congresso.

  • Luiz Shigunov

    Vi o video da CartaCapital e fiquei revoltado! O cara foi detido só porque tinha vinagre. E o capitão da PM mostrando toda sua arrogância e autoritarismo. Parecia a mesma PM da ditadura! Vergonha total. Eu fui na página da PM de SP e mandei uma mensagem reclamando. Isso não pode ficar assim. Tem que punir o governador por mandar fazer isso. No video dá pra ver que os policiais só cumpriam ordens descabidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *