Por uma vida mais feliz

O poder do Toque.

texto56

Há algum tempo venho analisando a falta de tato entre as pessoas que se amam.

Eu confesso que não gosto muito de lidar com pessoas cinestésicas, que não sou próxima,  o contato com o desconhecido me  causa desconforto. Entretanto, com minha família, amigos, marido adoro tocar, acho que o poder das mãos ultrapassa todos os níveis de consciência e atinge a alma do outro.

Meus pais trabalham por meio do tato, ele é fisioterapeuta e ela é esteticista, e é notório a diferença que eles possuem no tato que tem com os seus clientes. Há uma troca de energia é possível sentir o carinho que dedicam em seus atendimentos. Acho isso sublime. Por isso os admiro.

Me diga, com sinceridade, qual foi a última vez que tocou em alguém que gostava com suas mãos e transmitiu um carinho profundo? Qual foi a última vez que deu um abraço bem forte, que deixasse o cheiro do outro em sua roupa após se afastarem? Quando foi a última vez que pegou o rosto do seu filho com as palmas de suas mãos abertas, aproximou do seu rosto e olhando fundo nos olhos dele disse “Eu amo você”?

Hoje reparo que as famílias estão distantes, os casais saem para jantar fora e ficam cada um no seu celular, enquanto aguardam a comida. Não tem mais aquele carinho entre as mãos, um deslizar dos dedos nos cabelos dela, um toque de carinho no rosto dele. As pessoas estão distantes, mesmo fisicamente estando tão próxima e, virtualmente, conectadas.

A minha criação foi baseada no tato. Lembro-me claramente da sensação de sentir meus cabelos sendo acariciados pelas mãos firmes, com calos da roça, e carinhosas do meu avô, enquanto eu assistia o jornal deitada em seu colo. Lembro-me dos tapinhas suaves que minha avó me dava para dormir, quando corria da minha cama para a dela, nas manhãs de inverno em sua casa.

Até hoje gosto de estalar os dedos do meu pai, adoro apertar minha mãe, minhas tias, minha madrinha, amo brincar de medir o tamanho da minha mão com as da minha prima e do meu afilhado e ver que estão crescendo (e eles nem se importam com o fato de serem adolescentes). Gosto de caminhar pelas ruas de braços dados com minhas amigas (as vezes o trio atrapalha o trânsito, mas mesmo assim é divertido).  Adoro dar chuva de beijinhos nas crianças da família.

Eu gosto de sentir o carinho do outro por meio do toque das mãos. E gosto de transmitir o sentimento que tenho por eles de carinho, amizade, amor por meio do tato.

Se para as perguntas acima você demorou a lembrar da resposta. Fique atento. Você pode estar desperdiçando momentos e sensações indescritíveis ao lado daqueles que ama.

Abrace. Toque. Beije. Transmita amor ao mundo por meio do poder que tem em suas mãos.

Luz.
Beijos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *