Quando não nos reconhecemos mais.

“As vezes a vida nos prega uma peça”, quem já não ouviu ou citou essa frase? Acho que todos nós um dia passamos por isso.

Entretanto, me questiono se é mesmo a vida que nos prega essa peça ou se é nosso inconsciente.

Sabe aquela frase mal colocada, aquela palavra solta, aquele olhar desviado, aquela atitude sem fundamento. Tanta coisa que acontece e não nos reconhecemos ao tê-las praticado, então nos questionamos sobre o motivador que  disparou o gatilho no nosso consciente, e acho que a resposta vem da nossa inconsciência.

Nem tudo que fazemos tem sempre uma explicação lógica a vista, algumas atitudes passamos tempos e tempos nos questionando sobre a causa de termos feito aquilo e nem sempre achamos a resposta. Mas, o fato já aconteceu. E contra fatos, não há argumentos, certo!?

O que fazer então para corrigir uma atitude que praticamos sem saber o motivo? O melhor caminho a seguir é ter paciência e esperar que o tempo ajeite tudo em seus lugares novamente.

Muitas vezes pedir desculpas, conversar, tentar justificar ou qualquer outra ação não são suficientes, porque a palavra solta não volta mais, o olhar desviado nunca mais se encontrará, o tempo não volta atrás. Ele só segue em frente, sempre.

Por isso dê tempo ao tempo. Respire, acredite, reflita, tenha paciência e aprenda com seus próprios erros e fique mais consciente e esperto no futuro.

Como diria meu grande amigo, “No fim tudo dá certo. Se ainda não deu certo, é porque não chegou ao fim.” (WRC)

Beijos de luz.

4 comentários

  1. Eu acho que é o nosso inconsciente querendo falar. Tem vezes que até sabemos disso, mas não podemos falar para não magoar o outro (e eu acho isso certo). Tem vezes que não sabemos mesmo…

  2. O inconsciente é uma caixinha de surpresa mesmo. Só que nem sempre revelando algo bom infelizmente.Beijos e obrigada.

  3. Janyr Gomes da Silva

    Realmente o tempo é o melhor remédio para tudo. Ele fecha as feridas, ameniza as dores,suaviza a saudade e acima de tudo fortalece a amizade e o amor quando são verdadeiros.

E então, gostou? Me diga aqui no comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *