Defenda o SEU voto.

textoVotoO segundo turno está chegando e as pessoas estão enlouquecidas para defender o que as mídias pregam. Há os que defendam o discurso da TV Globo e os que pensam por si próprio.

É impressionante ver nas redes sociais a falta de consciência (e coerência) que existe nestas pessoas, ninguém defende o próprio voto, apenas replicam aquilo que escutam nos telejornais, nas propagandas nas revistas, nas rádios, ou o que seus artistas preferidos falam.

A essas pessoas (sejam PT ou anti-PT) quero deixar a seguinte pergunta: “O seu voto será baseado em qual fato ou característica que acontece/aconteceu em SUA vida ou de sua família?”, por favor, reflita. Não replique o discurso pronto das grandes mídias elitistas, pense e diga com SUAS palavras sobre o voto que será SEU e de mais ninguém nas urnas no próximo dia 26.

Vejo pessoas assalariadas, que não possuem casa própria, não possuem investimentos variados (ações, títulos etc), não utilizam no seu cotidiano produtos importados, não viajam nas suas férias a Europa, não possuem uma casa de praia e outra de campo, seus filhos não estudam em escolas bilíngues, enfim, não são ricos! Elas utilizam transporte público, pagam aluguel, dependem (e muito) do seu salário para ter uma condição melhor de vida para estudar, viajar, realizar uma obra em sua casa, mudar a mobília, colocar seus filhos em um colégio melhor, comprar seu carro, pagar os impostos de forma honesta, enfim, pessoas de classe média (nem rico, nem pobre).

Não consigo compreender como estas pessoas podem defender o discurso da elite brasileira, pedindo “mudanças” – sendo que o candidato a esta suposta “mudança” pertence (desde seu avô) ao grupo direitista que por muitos anos comandou esse país focando na classe à qual eles pertencem, ou seja, a elite, os ricos. Então me questiono: Como alguém que não pertence a essa elite pode defender esse mesmo discurso? Como pode achar que a “mudança” consiste em retroceder para um partido que ficou há décadas no Governo e nada fez de impactante sobre a desigualdade social que existe no Brasil.

Se você está se perguntando qual o meu voto, eu lhe digo, eu voto Dilma. Antes que comece a me estereotipar de petralha, empadinha, comunista, esquerdista e tantos outros rótulos que nós, eleitores da Dilma, acabamos recebendo, vou logo dizendo que não, não sou PT, mas, sou Dilma e Lula. Eu sei separar muito bem estes dois políticos do partido ao qual pertencem. Eu os admiro porque eles governaram implantando condições que me ajudaram a melhorar minha vida, a vida da minha família.

Pertenço a esse grande grupo dos que saíram da classe pobre para a classe média, faço parte do grupo dos que conseguiram comprar um carro com o IPI reduzido, dos que conseguiram viajar para o exterior devido ao controle da inflação, do reajuste salarial, de quem conseguiu melhores oportunidades de emprego e de estudo. Eu voto com consciência porque analisei toda a dificuldade que passei junto a minha família na época em que a direita governava o meu país.

Eu olhei para o passado, avaliei meu presente e prospectei meu futuro e a mudança que desejo parte de mim, buscando sempre pagar meus impostos em dia, não me corrompendo, não me rendendo aos “esquemas” que existem por aí porque eu mantenho meus valores de forma imutável.

A mensagem que deixo hoje é esse pedido: “Que você, pelo menos durante uma semana, não se deixe influenciar pelos jornais, pelas bobeiras das redes sociais, pelos discursos repetidos e incoerentes de seus colegas do trabalho, por favor, pense por você, nos seus familiares, seus amigos mais próximos e avalie em quem tem a melhor proposta para o que VOCÊ deseja para sua vida e dos seus.”

Eu voto consciente. Eu penso no que quero para MINHA vida e não me vendo ao que os outros querem me impor!

Sabedoria a todos nós.

Um comentário

  1. As eleições realmente parecem uma guerra de torcidas. Vez ou outra me pego nessa guerra também 🙂 Mas não podemos nos deixar levar por isso e esquecer de defender os nossos interesses de verdade. Parabéns pelo texto.

E então, gostou? Me diga aqui no comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *