Conversas sobre a sociedade

Fim da escravidão, não do racismo.

DIGITAL CAMERA

 

Como todos sabemos, em 1888, no dia de hoje, 13 de maio, foi assinada a Lei Áurea, onde os negros escravos foram libertados. Só que essa carta de alforria não continha um item fundamental: o respeito aos negros!

E, assim, passados 127 anos, aqui estamos nós, os negros, ainda lutando para sermos respeitados pelo que somos e não discriminados pelo nosso tom de pele.

No último mês, vimos nos Estados Unidos protestos contra o racismo devido a mortes injustificáveis de negros em alguns Estados de lá. E, pasmem, que nem o Presidente Obama sendo negro fez com que sua raça fosse respeitada.

Aqui no Brasil é uma hipocrisia diária o discurso das raças não negras em dizer que não existe racismo no país. Só se for para eles que não são negros! É tão latente o racismo aqui que todos os dias há notícias sobre algum negro discriminado, ofendido, insultado ou agredido. O que me deixa profundamente triste, principalmente, por saber que não há nenhuma pessoa de raça pura aqui: nem branco, nem índio, nem negro, nós somos filhos da miscigenação, dos índios com brancos, dos europeus com negros, todos temos diversas raças misturadas em nosso DNA e alguns brasileiros parecem que se esquecem disso e muitos de pele clara ainda se julgam superiores aos demais. Para quê isso?

Caso vocês, racistas, não saibam vou explicar: iremos morrer TODOS um dia! Você pode ter dinheiro e ser cremado, ter suas cinzas jogadas no mar azul do Mediterrâneo ou nos Alpes Suíços ou ser enterrado tanto faz o fato é que iremos morrer mais cedo ou mais tarde. Então, deixe de ser mesquinho, preconceituoso, soberbo e respeite as pessoas em geral (sejam negras, amarelas, índias tanto faz). Lembre-se antes da cor, nós temos DNA que faz de todos seres humanos!

Por isso, no dia de hoje, deixo uma mensagem de respeito a todos os negros que morreram abrindo com suas próprias mãos túneis, construindo estradas, fortalezas, plantando e cultivando nossas terras com suas vidas sob chibatas que lhes cortavam a pele! Aos descendentes de quilombolas, que até hoje lutam por seu pedaço de terra eu digo “EU RESPEITO VOCÊS”.

Também quero dizer aos racistas que vocês nos causam vergonha e pena. A vocês desejo muita luz para que seus espíritos evoluam e compreendam que da terra em de onde viemos e para onde iremos não importa a cor.

E a você que também é negro eu quero dizer NÓS MERECEMOS RESPEITO, não aceite ser obrigado a passar pelas entradas de serviço, a ser discriminado, a ter seus filhos ridicularizados pelo cabelo, não acatem nenhum tipo de humilhação e nem de desrespeito porque o orgulho da nossa pele deve começar diante do espelho, pelos nossos próprios olhos, EU AMO A COR DA MINHA PELE.

Que hoje seja um dia de reflexão sobre a valorização aos negros do nosso país!

Salvem os Pretos-Velhos!

Axé e Luz em nossa caminhada!

 

 

 

 

Um comentário

  • luizshigunov

    Infelizmente o racismo ainda é muito comum. E para piorar tem gente que acha que existe racismo contra os brancos! Talvez falem isso para tentar justificar o próprio racismo. Gente de pouca inteligência e cultura. Só a luta pode mudar isso. Nos EUA os negros têm longa tradição de luta. Aqui precisamos disso também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *