Toda mulher tem o marido que merece (e vice-versa).

images

Cresci ouvindo minha mãe falar a frase do título do texto de hoje, parecia um mantra.

Eu quando criança não compreendia muito bem, mas, com o passar dos anos, essa frase foi tomando sentido para mim, fui crescendo me relacionando, casei e apliquei na minha relação o mantra que era da mamãe.

Ao passar dos anos à medida que minhas amigas também foram se casando, essa frase fazia ainda mais sentido. Então, comecei a analisar melhor esses dizeres e hoje compartilho minha conclusão:

1. O casamento não muda ninguém.

Conheço muitas mulheres que casaram conhecendo os defeitos dos futuros maridos, mas, não sei porque-causas-d’aguas acreditaram que após assinar a certidão de casamento e colocar a aliança iria num toque de mágica transformá-los no homem de seus sonhos.

Isso não existe! E nunca existirá!

Conheça os defeitos de quem você vai escolher compartilhar sua vida e, o mais importante, analise friamente se conseguirá conviver harmoniosamente com eles porque inquestionavelmente eles vem junto do pacote “casei-tenho-um-marido”. Portanto, se não conseguir conviver com eles, exponha claramente ao seu futuro cônjuge e veja se o dito cujo está disposto, genuinamente, a mudar. No caso de dúvida, não case.

2. Ninguém tem o poder de mudar o outro, só de piorar.

Quando ouvi do professor Augusto Cury essa frase gravei de imediato. Ela é perfeita, concorda? E totalmente verdadeira!

Nenhum de nós consegue entrar no outro e mudar o que achamos que ele precise. Não dá para mudar ninguém, nosso desejo de mudança, nossa insistência, súplica e chantagem só são capazes de piorar a outra pessoa.

Toda vez que acusamos o defeito de alguém ou que fomentamos alguma característica que não nos agrada no outro, a reação natural com a qual o outro recebe essa nossa fala é de censura a sua liberdade de ser como é – afinal de contas, somos indivíduos únicos – e, mediante esse sentimento de acusação e cerceamento da liberdade, o outro reage nos atacando e aí está: conseguimos piorá-lo!

Esqueça essa mentira que lhe disseram algum dia que somos capazes de mudar nossos maridos! Não, não somos capazes de mudar nem nossos filhos, que fomos nós que os formamos, imagina o marido que já veio pronto!

3. A relação para ser sadia depende da boa vontade de ambos.

Outro ponto importantíssimo: a relação é a dois, logo para ser boa ou ruim depende de ambos.

O esforço para construir uma relação feliz e harmoniosa, ao contrário do que pensam alguns homens, ela não é exclusividade da mulher, tanto a esposa quanto o marido devem se engajar em criar um relacionamento sadio, verdadeiro, prazeroso e feliz para ambos. E esse esforço é diário e começa no “Bom dia meu amor” até o “Boa noite meu amor”. Não importa o tempo de casado, esse esforço não vira automático ele é renovado sempre.

4. Os homens não leem pensamentos.

Queridas leitoras do meu coração, os seus maridos não conseguem ler seus pensamentos, como já disse em um texto específico aqui, e nem é má vontade não. É incapacidade psicológica e fisiológica mesmo, podem acreditar.

Se você não falar o que lhe magoou, entristeceu, desapontou ele nunca saberá. Ficar sem falar, fazer cara amarrada, sair batendo pé e bufando vai no máximo instiga-lo a pensar que está na TPM (porque para eles essa é a primeira causa de todos os nossos males), portanto, minhas queridas, falem, conversem, exponham seus pensamentos, desejos, medos e sentimentos.

5. A casa fica do jeito que o casal decidir.

Normalmente, a mulher tende a reclamar mais do que eles do estado da casa.

Sim, eu confesso, também tendo a fazer isso. Entretanto, aprendi a praticar essa conclusão de que a casa é de ambos, e se eu quero que ele ajude e contribua com a limpeza e organização – e considerando que para ele o estado de “precisa arrumar” está a mil potências do que eu considero habitável – devo expressar esse meu desconforto e juntos chegamos a um conceito de “está ruim, tem que arrumar” que seja viável para ambos. Sem brigas, xingamentos, gritarias e, a pior de todas, vitimização. Ninguém é refém de ninguém! Então, se você quer limpeza 10 e para ele 4 está bom. Fale. Ou então pegue e arrume do seu jeito, mas sem reclamar e nem dramatizar, por favor.

6. Se não está bom, trabalhe para ficar melhor.

A comunicação está ruim, o lazer é praticamente ver  Fantástico domingo no sofá, jantar fora só no aniversário (e olhe lá), presente só de natal, viajar então nem se lembra de quando e para onde foram da última vez.

Enfim, um casamento chato e sem graça.

A culpa é dele? Dela? Não.

A responsabilidade é de ambos. (Reparem, não usei culpa, usei responsabilidade é bem diferente.)

Portanto, a melhor ferramenta que você pode usar para resolver essa situação é mudando a si mesma. Quer jantar fora? Se arrume linda, deixe as crianças na sogra e diga a ele que amanhã irão sair quando ele chegar do trabalho. Convide-o para um cinema. Pague um final de semana em uma pousadinha simples e aconchegante no interior ou na praia. Saía da reclamação. Mova-se. Empenhe-se e faça um bom trabalho para tornar a vida a dois mais feliz e divertida.

Através das suas atitudes, já que você é quem está incomodada e infeliz, fomente a mudança indiretamente no seu parceiro.

Quem lhe disse que você não pode tomar a iniciativa? Quer mais sexo?

Procure-o. Atice-o.

7. Comece por você.

Concluindo, a mudança de algo que não está bacana deve começar por você que se sente infeliz. É ingrato e injusto colocar suas expectativas todas no colo do outro e querer que ele adivinhe e faça suas vontades.

Não vivemos no século XIX, já conquistamos muito na sociedade e ainda temos muito a desbravar.

Manter o casamento feliz não é obrigação da mulher (e nem do homem), mas sim o dever e o compromisso firmado por duas pessoas que se amam e escolheram compartilhar suas vidas.

Então, sejam felizes e parem de jogar a responsabilidade da sua falta de atitude no outro.

Aja com honestidade, carinho e respeito.

Afinal de contas, como diz a minha mãe:

“Todo homem tem a mulher que merece e vice-versa.”

Sejam felizes!

Luz na caminhada!

4 comentários

  1. Janyr Souza

    O sucesso de um casamento depende de ambos.Precisa que haja interesse dos dois para que essa união sobreviva a rotina do cotidiano, os problemas inerentes da vida, os conflitos familiares e aos estresse da correria dos dias atuais.Tentar sempre para que dê certo pois no final valerá a pena. Afinal, todos nós buscamos a felicidade.

  2. Luiz Shigunov

    Excelente texto! Muito boa a parte do “precisa arrumar” kkkkkk

  3. Ana Paula pereira da Silva Costa

    O seu post me colocou totalmente para cima, cheia de idéias construtivas. Muito obrigada !

E então, gostou? Me diga aqui no comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *