Jovens Pensantes

Jovens Pensantes – Líder na faculdade.

UmCaraSinceroIMG

Por Um Cara Sincero,

Quando iniciamos a nossa vida universitária, pensamos que algumas coisas irão melhorar, e hoje falarei sobre um exemplo disso. Pensamos – logo no início – que os trabalhos serão mais puxados se comparados com os do ensino médio, com mais cobranças e bem mais elaborados em grupo e terão uma distribuição de responsabilidades perante aos integrantes.

Esse último pensamento é errôneo, pois o que mais se encontra em trabalhos em grupo são pessoas que, muitas das vezes, não possuem criatividade, que esperam a ordem de alguém, que não sabem de nada sobre o tema, mas de alguma forma querem ajudar, os encostados que falam que vão fazer, mas não fazem, e os que não demonstram iniciativa em nenhuma etapa do trabalho.

E aí, nesse caos, que surge a pessoa que toma a iniciativa para começar o trabalho, para saber quem vai fazer o quê, que procura todas as informações. Essa pessoa dá a cara para bater. E quando vemos, cresceu uma espécie de líder do grupo, então você que está de fora vê que esse “líder” é o cara, responsável, faz o possível e o impossível para o trabalho sair perfeito.

Quando comecei a faculdade, pensava desse jeito, que os trabalhos poderiam ser difíceis, porém eu teria auxílio dos integrantes do meu grupo. Acabei vendo que não era bem assim. Encontrei esses tipos de pessoas durante os trabalhos que fiz. Nunca fui um “líder” em um grupo, não queria aquela tal responsabilidade. Porém, houve a necessidade em eu tomar a iniciativa para que o trabalho pudesse ser realizado. Eu brigava, me estressava porque essas pessoas pareciam que não estavam nem aí para aquilo, e eu cheio de medo de me dar mal na matéria. E foi assim, todos os trabalhos, sempre fui o cara que se responsabilizava por tudo, fazia praticamente tudo, ficava sempre exausto, porém no final eu via que o trabalho saiu do jeito que eu queria, e conseguia me dar bem na matéria.

Eu vendo isso, que sempre iria ser o “líder” do grupo, comecei a estudar sobre Liderança. Meu estudo foi prévio, não cheguei a terminar o curso, mas o pouco que aprendi, vi que as minhas atitudes não eram de um verdadeiro líder. A forma como eu estava agindo, não é como um líder age.

Depois desse estudo, no primeiro trabalho em grupo, o professor dividiu o grupo em: Coordenador, Comunicador, Pesquisador e Montador. Meu grupo já ia me indicar como Coordenador, porém eu não quis, optei por ficar só como Pesquisador. Eu fiz essa escolha para ver como eles se sairiam sem que eu estivesse coordenando o projeto, passamos a lista com as funções de cada um e beleza, iniciamos o projeto. Quando me deparei, eu quem estava na função de Coordenador, ou melhor, estava nessas DUAS funções. Porém eu não estava mais “brigão” e estressado, estava mais motivado, ouvindo mais a opinião dos outros e ajudava os integrantes no que tinha que fazer e os que não davam a mínima antigamente, passaram a colaborar nessa minha nova etapa de liderança.

Não adianta mais, me apaixonei por essa função, não consigo deixar de ser “líder”. Gosto de ter o trabalho sob minha supervisão, e de ter essa responsabilidade, o ruim é a que você perde a maior parte do seu tempo acompanhando o andamento do projeto e curte menos, porém todo esforço no final é recompensado.

2 Comentários

  • Jane Gomes

    Sim muito, e indicarei este texto ao meu filho , porque está passando por isso, nesse momento,pois é universitário e gosta de tudo perfeito e objetivo. Acho que o ajudará bastante em ter mais compreensão e motivação para continuar coordenando os trabalhos e projetos. Parabéns pelo texto muito bom, assim como os anteriores também.

  • Luiz Shigunov

    É, ser líder requer certas habilidades. Entre elas eu destacaria saber ouvir e mediar conflitos.

    Sempre tem alguém querendo algo que o outro não quer e se o líder não souber mediar o conflito a coisa não anda.

    Parabéns pelo texto e boa liderança! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *