Homenagem ao Dia das Mães

Dia das Mães – Aprendizado.

Copy of Transbordar de Gratidão

Por Lucianne Tauil, mãe do Gabriel.

Olá, Leitores!

Quando a Carol me pediu para escrever no seu blog o que representa a maternidade,  me senti muito lisonjeada mas ao mesmo tempo me perguntei será que sei expressar em palavras todo o misto de emoções?  Bom, vou tentar.

Ser mãe é um aprendizado diário e começa na consciência da gravidez. Ali, inicia-se toda a segurança e insegurança, toda a capacidade e incapacidade, todas as dúvidas e certezas de uma mãe de primeira viagem.

Começam as perguntas: consigo cuidar? Saberei identificar o choro?  E quando estiver doente?

Juntamente com essas perguntas vem uma emoção crescente.

Dizem que as grávidas ficam mais sensíveis neste momento e é verdade; no meu caso,  chorava com propaganda de manteiga. As grávidas também ficam com o paladar e olfato apurados e isso é importante para não ingerir alimentos contaminados. Nesta época  eu sentia o cheiro do açúcar a distância.

E o tempo em nove meses, ou menos, vai passando, o embrião vira feto e seu amor só aumenta. Você ama ainda quem você nem conhece, você ama quem você não sabe nem o sexo e você ama suas mãos, seus pés, o formato de sua cabeça.  Você ama sem nem olhar nos olhos, sem saber o que pensa. Você ama e só.

E se faz perguntas: como é diferente esse sentimento e ainda se chama amor?

E é chegada a hora. Nasce o bebê e também nasce uma mãe. Uma mãe, diferente da pessoa que existia antes de ser mãe, é uma mãe.

Uma mãe que vira uma leoa ao ver aquele ser pequenino dependente de você. Passa a se sentir forte, mesmo que a dúvida exista. Se sente capaz de correr o mundo para protegê-lo, se sente capaz de morrer por quem acabou de nascer.

É prazeroso  perceber como uma mulher se modifica após ser mãe. E não estou falando  somente da parte física,  estou falando  principalmente da parte emocional e espiritual.

Ser mãe é permitir que aquela pessoinha linda e indefesa transforme sua vida. Seus dias não serão mais os mesmos, o tempo não será só seu, mas serão muito mais coloridos.

E assim os dias passam,  os anos passam e você tenta acertar, errando ou acertando.

Percebe que seu filho está crescendo, tem opinião e por muitas vezes pode ser, contrária a sua. E você percebe que a reclamação que fazia com a sua mãe é a mesma do seu filho para você. E assim, você se pega falando que está preocupada com a segurança dele, que os tempos mudaram.  *rsrsrs*

Assim, vamos cuidando e nos preocupando não só com o mundo que os nossos filhos vão enfrentar mas, também com o filho que deixaremos para esse mundo.

Uma vez mencionaram que ser mãe é deixar o seu coração bater fora do corpo e eu concordo. Não há limites para esse amor.

Há alguns anos participei de um concurso e fui premiada, tentando exprimir o que é ser mãe.

A frase dizia o seguinte:

“Ser mãe é intensamente sentir, completamente dividir,
maravilhosamente sorrir,
incansavelmente cuidar
e inexoravelmente amar”.

Não consigo descrever o que é ser mãe em poucas palavras, aliás nem sei se existem as palavras no vocabulário.

Desejo as mulheres que são mães, um lindo dia  com seus rebentos e para quem não é  mãe:  desejo  que sintam e aproveitem o amor de serem filhas e que um dia sejam mães maravilhosas.

10 Comentários

Deixe uma resposta para Lucianne Tauil Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *