Falta de educação carioca II.

RULE

 

Há três anos, escrevi o primeiro texto sobre a deseducação dos cariocas, e, em 2016, eis-me aqui novamente para ratificar minha posição sobre a falta de educação e pouca civilidade das pessoas do Rio, Grande Rio e Niterói!

Eu não sei você, mas eu tenho uma dificuldade absurda para lidar com indelicadezas e ignorância. E viver no Rio de Janeiro é lidar o tempo inteiro com esse tipo de situação.

Todos os dias tenho que usar duas conduções para chegar ao trabalho e em ambas – desde às 6h da manhã – enfrento estes tratamentos pelas pessoas nas ruas.

Penso eu que é bem possível que as expressões cordiais: bom dia, boa tarde, boa noite, com licença, por favor, obrigado e de nada acompanhadas de generosa dose de bom senso e civilidade foram extinguidas daqui. Considerando o que mais vejo nas ruas que são: pessoas grosseiras, que me empurram nos (péssimos) transportes públicos que temos por aqui, nos restaurantes lotados na hora do almoço e no caos urbanos que se tornaram as ruas e vias da cidade!

Para vocês que querem vir conhecer o Rio, um conselho: NÃO venham. Conheçam das fotos, das novelas, dos filmes, e, acreditem é muito melhor do que pessoalmente.

Parece que todos têm pressa de chegar ao pódio do prêmio de U$1mi porque não podem esperar dez segundos no sinal que já buzinam, nem para descer das barcas porque já saem passando por cima, no trem então nem se fala (se jogam pela janela, pasmem com isso!!). Sinceramente, não dá!

A minha intenção é me mudar do grande centro porque no interior ainda resta certa gentileza, civilidade e respeito ao próximo. E digo isso pois morei dois anos no interior e lá não passava por metade das grosserias e falta de educação que enfrento por aqui.

Eu fico olhando para os rostos das pessoas (quando levantam, pois, parecem zumbis em seus smartphones) e reparo no desânimo assustador de suas faces caminhando em direção ao trabalho. Então, questiono-me: por que correm que nem desesperados para chegarem a um lugar que visivelmente não querem estar? Logo, concluo que devem ter essa atitude por simplesmente estarem condicionados a serem mal educados, grosseiros, brutos e individualistas.

Uma das cenas que mais me deixou indignada foi na barca, a fileira era composta de quatro lugares, que vinham da janela para o corredor, chega um sujeito e senta na primeira (sentido corredor >> janela), eu sento na segunda, na última já havia uma pessoa quando chegamos, logo, só restou a terceira após a minha posição. Uma moça chega e pede licença para sentar na poltrona vaga, eu me encolho para dar passagem a ela, o sujeito nem sequer mexe os joelhos, ela então pede (com educação) que ele dê passagem, onde a grosseria carioca se apresenta, e ele responde: “Eu já dei! Só se quebrar os joelhos para você passar, se quiser vá! Eu não me mexo mais.” – ela então se espreme inteira e passa empurrando ele, passa por mim e senta-se ao meu lado.

Nesse instante me veio a seguinte questão: “O que leva uma pessoa a ser tão, tão grosseira e estúpida com outra gratuitamente?”

Olha, até agora não encontrei uma resposta se vocês querem saber…

Só acho que de cordial, amigo, bom camarada, gentil, amável e simpático a maioria das pessoas das grandes cidades do Rio de Janeiro não tem absolutamente N A D A.

Portanto, reafirmo meu conselho: quer conhecer a cidade do Rio? Veja nas fotos. Quer conhecer o Estado do Rio? Vá para o interior, região dos lagos, costa verde, enfim, fuja dos grandes centros ou venha consciente da deseducação diária que encontrará e nos desserviços prestados por grande parte do comércio e restaurantes.

Boa Sorte.

Luz & (muita) Paciência.

12 comentários

  1. Henriette Guerra

    Tenho uma filha que mora no Rio, já adiei meu reencontro com a mesma por medo da violência, porém ao saber da falta de educação estou mais assustada ainda, adoro estes posts, parabéns.

    • Caroll Souza

      Obrigada Henriette 🙂

  2. Leonardo

    Eu como carioca compartilho muito das mesmas opiniões que você, exceto quanto a tranquilidade do interior do estado. acredite, que em muitas cidades, grande parte seja sim educada, mas tem uma minoria, que tem cachorro dentro de casa e ele late de dia, tarde, noite e madrugada sem o dono nao fazer nada, além dos drogados que andam com carro de som alto, que sao cada vez mais comuns no interior.

    dito isso, cito outra coisa irritante dos cariocas: as salas de cinema. eu desisti de escolher uma poltrona no meio da sala, porque sempre vai ter um filho da … atrás de mim que vai chutar minha cadeira, ou o filho da … que pode estar 5 lugares a direita atras de mim, mas que irá repousar seus tênis em cima da cadeira a sua frente, e como as cadeiras sao coladas, a minha fileira inteira vai sentir sua cadeira balançando. eu ja pedi uma vez pro cara atras de mim parar de chutar minha cadeira, e ele nao parou. pedi de novo, e ele insensivel, ou talvez querendo se mostrar um macho ‘alfa’ troglodita pra namorada, nao parou. o que fazer nesses casos? chamar o flanelinha talvez?
    tem tambem as crianças q falam em voz alta. (e nao sao censuradas pelos pais) quem vai morrer ou se machucar na proxima cena do filme. tem o casal sem nocao do seu lado que pagou 60 reais por dois ingressos e inves de ficar muito na frente ou muito atras, fica se beijando do seu lado de 2 em 2 minutos. cara…, se nao vao assistir a porra do filme, que fiquem na primeira fileira de uma vez, pra nao atrapalhar quem esta interessado. tem o cara que nao leu a mensagem do cinemark pra desligar o celular e o celular toca no filme. eu nem me incomodo em quem mexe em celular no filme, mas ele deveria ao menos deixar o brilho no minimo e colocar o celular na altura da barriga. olhar pra baixo, e se possivel faça uma concha com a mao, pra luminosidade nao atrapalhar ninguem. e tem o grupo de amigos barulhento que vai falar em cima de todas as cenas do filme. de todos esses exemplos de falta de educacao o pior é chutar a cadeira que é algo que distrai mesmo. eu imagino o que ja deu de briga de porrada por causa disso.

    carioca é um povo complicado de lidar…

  3. Drica

    Morei no Rio três anos e admito que a civilidade não faz parte dessa cidade! Hoje, compreendo por que o carioca não é bem visto! Ótima matéria!

    • Caroll Souza

      Obrigada Drica 🙂

  4. Vânia Soares

    Fui ao réveillon no Rio de Janeiro e fiquei abismada com o comportamento dos cariocas. Outro dia, no supermercado o carioca esvaziou o seu carrinho de compras e não foi capaz de retirar o carrinho vazio para que os outros clientes passasem. Saiu do caixa com as sacolas e a cliente que estava atrás foi obrigada a retirar o carrinho do folgado. Falam palavrões sem o menor constrangimento com qualquer pessoa. Atendem clientes com aquela má vontade, lentidão e de cara feia, como se o cliente estivesse obrigando-lhes a fazer um favor! Furam a fila dos ônibus com o maior prazer! Estacionam carros em cima das calçadas, forçando o pedestre a caminhar pela rua, podendo ser atropelado. Nunca mais farei turismo lá! Cariocas, em sua maioria, comportam-se como primitivos!

    • pedro

      Sobre os atendentes de loja. só te atendem bem se vao com a sua cara. ja vi situaçao q me atenderam mal mas com a pessoa de tras foram gentis ( naquele estilo falso de ser), mas tbm ja aconteceu o contrario. impessoalidade e profissionalismo passa longe…

  5. Kaique

    Trabalho numa loja virtual, no Pós-Vendas, e sempre que meu telefone toca e no Identificador aparece DDD 21 ou 22 já atendo o telefone com medo, pois sei que vou ser mal tratado, xingado, ouvir gritos, ameaças e etc… Nunca tive muita vontade de conhecer a “Cidade Maravilhosa” e depois de lidar quase diariamente com os cariocas, admito, se ganhar uma viagem com tudo pago para o Rio, eu recuso sem pensar duas vezes.

  6. Cláudio

    Estive no Rockínrio,me senti um ser invisível a todo momento tinha alguém querendo me atravessar tipo raio x, tomografia. Pedido de desculpa zero,licença idem! E com meus 1.80cm 105kg. Sempre furando a fila do brt,Bar…

  7. Juliano Junqueira

    Carolina, adorei seus textos.
    Concordo em gênero, número e grau.
    Sou paulista do interior e moro há 15 anos na RM do RJ. A falta de educação por aqui é bizarra.
    Já viajei a trabalho ou passeio por quase todos os estados brasileiros e nada se compara a falta de educação dos cariocas e fluminenses da RM.
    Atualmente moro em Niterói e por aqui acho menos ruim.
    Se quiser construir uma amizade verdadeira por aqui, conte comigo.
    Juliano

  8. Hanna Debray

    Deus projetou fez com inspiração as belezas naturais do Rio de Janeiro, mas para que os nativos dos outros estados não se sentissem desprivilegiados, colocou lá, os cariocas!

E então, gostou? Me diga aqui no comentário.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *