Conversas de Mãe

Que mundo os nossos filhos encontrarão?

 

Acho que não existe uma mulher gestante ou com filhos ainda crianças que não se faça essa pergunta.

Eu, pelo menos, me faço essa pergunta uma vez ao dia. É tanta cena de horror, de ódio, de ganância, de mentira, de tragédia acontecendo dia após dia em nossa cidade, no nosso Estado, no País, no Mundo que não tem como deixar de nos questionarmos sobre isso.

Mas, infelizmente, não temos controle sobre a ação do outro. Não dá para mudar o outro. O que podemos fazer é mudar tudo aquilo que está ao nosso alcance, as nossas escolhas, as nossas atitudes e ter cuidado com aquilo que comunicamos.

Toda vez que leio um comentário preconceituoso, quando vejo líderes de Estado argumentando com um ódio visceral um contra o outro instigando a guerra, sempre que fico sabendo que mais uma mulher foi assediada ou assassinada por um homem que se achava dono dela eu me receio do mundo que meus filhos encontrarão em sua vida adulta. E penso em como prepara-los para encarar seja lá o que for de maneira firme, empática, respeitosa e amorosa.

A única saída que encontro é passar a eles os meus valores: amor, respeito, humanidade, compaixão, tolerância, conhecimento, justiça, ordem e solidariedade de modo que eles possam entender que a vida do outro não nos cabe mudar, mas que por meio dos nossos exemplos podemos influenciar a uma mudança positiva.

Não é fácil, acho que nunca foi fácil educar nossos filhos, mas cabe a nós, os pais, educarmos da melhor forma possível.Ensinando-os a serem melhores do que fomos, e, não digo isso no sentido financeiro (como a maioria pratica em suas casas), me refiro a serem melhor do que somos enquanto seres humanos, a não cometerem os nossos erros, a não serem injustos como fomos em nossa juventude, a não serem intolerantes como fomos no começo de nossas vidas, a não serem impacientes e acharem que o mundo deve se moldar as nossas vontades, esse egoísmo e tantos outros erros que jovens e imaturos cometemos não precisam ser replicados em suas vidas.

Eles podem ser melhores do que nós fomos. O que não quer dizer que serão, porque os nossos filhos são seres únicos, indivíduos responsáveis por suas próprias escolhas.

O que podemos fazer é compartilhar as nossas experiências, dizer o quanto erramos, o porquê de nos arrependemos de termos feito tantas escolhas ruins e dizer-lhes que após tanto sofrer com as consequências do que fizemos, hoje, sabemos que existem caminhos melhores e ensinar a eles que é possível ser e fazer melhor do que nós, se eles quiserem.

Nós, pais e mães, precisamos ter em mente que os nossos filhos não são a nossa extensão e nem uma segunda chance que a vida nos dá de realizarmos os nossos antigos sonhos.

Os filhos são como sementes que plantamos no mundo, onde podemos perpetuar tudo aquilo que aprendemos nessa vida dando-lhes a chance de serem pessoas que comentam novos erros, os seus próprios erros. Eles podem ser seres mais evoluídos, frutos melhores para a nossa sociedade tão carente de amor.

Luz na caminhada nossa e de nossas crianças.

4 Comentários

Deixe uma resposta para Janyr Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *