Conversas de Mãe

Cartas para a minha filha J. – Carta 03: Você virou primogênita.

Oi filhota,

 

A mamãe sempre soube que não seria mãe de uma só. Por ser filha única, sempre desejei ter uma irmã, e, portanto, quando me tornasse mãe eu teria duas crianças.

Mas, confesso que depois que você foi ficando maior, a faculdade começou a consumir mais e mais de mim, o trabalho, a rotina que estava leve foram variáveis que me fizeram repensar se eu teria mesmo outro bebe. A pandemia da Covid-19 se instalou no Brasil e o medo me fez decidir conscientemente adiar esses planos. O medo nesse caso era duplo: do contágio da doença e do tempo passando e a mamãe chegando perto dos 40 anos e não tendo outro bebe.

Só filha, que quando desejamos genuinamente algo, por mais que a gente use da razão para negar. O nosso inconsciente sabe o que realmente desejamos para nós. Não tem como negar. E, assim, em janeiro de 2021 descobrimos que a sua irmã havia chegado.

A alegria de saber que meu desejo de lhe dar a chance de ter uma irmã foi grande! E misturada com o medo de ter um bebe em plena pandemia.

O tempo foi passando e eu olhava para você e sentia um medo tremendo de não conseguir dar conta de duas. De ser ausente com você. De não saber lhe preparar para a chegada da sua irmã. Ouvi tantos relatos de crianças com ciúme, regressão de comportamento, rejeição ao novo bebe que ficava preocupada de que isso pudesse acontecer conosco.

Para variar comecei a ler muito sobre o assunto, pesquisar, estudar, tratar na terapia tudo para evitar que isso ocorresse com você e sua irmã.

Aos poucos você começou a ver a barriga da mamãe crescer, e, da sua pouca idade entendeu que havia um bebe que crescia dentro de mim. Levei você na ultra, começamos a cantar para a sua irmã dormir na minha barriga, você começou a se conectar com ela ainda no meu ventre.

Lembro-me do dia em que ela nasceu, eu estava indo fazer xixi quando a bolsa estourou. Você descendo as escadas com a vovó logo gritou ‘A minha irmã vai nascer!’ e veio correndo perguntar cadê a bolsa que tinha estourado. Corri para mudar de roupa e ir para o hospital. A vovó levaria você para a casa dela.

Na hora de sair, nos despedimos, emocionadas, choramos e nos abraçamos. Eu nunca tinha vivido um trabalho de parto, não fazia ideia do que estava por vir, um medo do desconhecido e de não voltar para você tomou conta de mim. Te peguei no colo, abracei e disse que tudo ficaria bem. Você chorando me disse que estava emocionada porque sua irmãzinha estava chegando.

Nos abraçamos com força, eu lhe disse que ficaria bem com a vovó e o vovô e assim que a irmã nascesse eu te ligaria por vídeo. Choramos mais uma vez.

Ao regressar, o vovô lhe trouxe para casa e você entrou logo perguntando “Cadê a minha irmã?” e subiu correndo para o escritório. Eu estava com sua irmã no colo, e, meio desajeitadas nos abraçamos. Eu te vi e fiquei com a sensação que tinha um mês que estava longe de você e que tinha crescido um metro!!! Foi tão mágico o nosso encontro!

Eu penso que foi uma das melhores sensações que tive, o gosto do sonho realizado, eu tinha me tornado MÃE DE DUAS! Vocês tinham uma a outra. Nenhuma seria filha única como eu.

Devido a cirurgia eu não pude dormir no meu quarto por quinze dias, eu dormia no sofá do escritório sozinha, você, papai e sua irmã no quarto. Meu coração se quebrava todas as noites quando você me abraçava e dizia que não queria ir dormir sem mim. Logo nós duas, que adormecemos juntas desde quando você nasceu, só depois que o papai lhe coloca na sua cama. Ficamos dias sem essa nossa rotina. Nesse período eu dei ainda mais valor a esse nosso ritual, porque lhe colocar para dormir juntinhas, abraçadas na minha cama, ouvindo nosso barulhinho, contando história, meditando, agradecendo ao Universo me faz um bem tremendo! Sinto tanto AMOR por esses nossos momentos. Fico olhando para você indo dormir e agradecendo a Deus por te ter ao meu lado.

Você então vem se tornando a primogênita a cada dia. Eu aprendendo a dividir meu tempo, minha atenção, meu colo para vocês duas. E você distribuindo amor em dobro.

Minha menina, o meu amor por você é tão grande, o meu amor por você é imenso, o meu amor por você é enorme demais! Nunca esqueça disso, tá bom?

Obrigada por me ensinar a ser Mãe.

 

Um comentário

  • Luiz Shigunov

    Lindo! Me emociono ao ler. O dia do parto foi muito intenso. Emocionante na despedida e ida ao hospital e muito difícil nas horas finais.
    Felizmente deu tudo certo e agora podemos curtir as nossas duas pequenas.
    Te amo muito! <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *